Educação financeira: como ensinar o seu filho a cuidar de seu dinheiro

Emoções e finanças: como as emoções afetam seu bolso
20 de setembro de 2019
Dicas para empreender o seu negócio de pintura de parede
21 de outubro de 2019

Desde muito pequenas as crianças aprendem coisas novas o tempo todo. Muitas dessas vezes observando os pais e irmãos mais velhos. Por isso, é tão importante os exemplos e ensinamentos vindos de casa, que dão base para o convívio social e para toda a vida. Esses aprendizados não devem se restringir. Pelo contrário, eles podem e devem se abranger a outros campos de conhecimento, como por exemplo, a educação financeira.

Orientar os filhos como lidar com o dinheiro é uma das formas de preparar crianças e adolescentes para a vida adulta, principalmente quando nos damos conta de que ainda adultos temos maus hábitos e costumes ao ir às compras. Mesmo após ter cometido diversos erros na administração de nossas finanças e aparentemente ter aprendido com eles, os maus exemplos ainda podem prevalecer no entendimento dos filhos.

Por isso, todos os anos o Banco do Vale promove palestras de como administrar o seu dinheiro, que são abertas ao público e atendem a todas as idades. Por mais que o assunto possa ser cansativo para crianças e adolescentes, buscamos uma outra forma de introduzir o tema, de forma mais adequada ao público jovem.

Entender o universo infantil e juvenil é o primeiro passo para definir o método mais eficaz para ensinar, principalmente em assuntos tão complexos como o caso da educação financeira. Por esta razão, reunimos três dicas que te ajudarão a abordar o tema no ambiente familiar:

1. Poupança

Um porquinho pode ser até mais divertido, mas a ideia de usar uma garrafa plástica transparente tem um poder muito maior nesse ensinamento. Podemos dividir esta dica em três etapas e a primeira delas é explicar verbalmente o que é um cofre e para que serve. Feito isso, passamos para a segunda etapa, quando você e seu filho depositam pequenos valores na garrafa, como forma de guardá-los, ressaltando a importância de economizar aquela moeda ou nota. Na terceira e última etapa você deverá mostrar que tem a sua própria garrafa e, propositalmente, deixe que o seu filho o veja guardando o seu dinheiro também. Isso o incentivará a imitar o gesto e passará a fazer isso com mais frequência.

2. Gastos e investimentos

Conforme a criança vai crescendo ela fica mais dispersa em alguns assuntos que não sejam do seu interesse, por isso, é necessário saber fisgar a sua atenção e aguçar a sua curiosidade. Para isso, conte com jogos e outros meios de interação. Seja com os clássicos jogos de tabuleiros ou com os inovadores e supermodernos jogos digitais para smartphones, tablets e computadores. Atualmente existem diversos jogos que ensinam sobre gestão financeira.

3. Administração

Abordar esse assunto com adolescentes requer um pouco mais de voz ativa, por isso, dê um voto de confiança e exija responsabilidade. Conceder poder de escolha é uma forma mais dinâmica de educar financeiramente o seu filho. Estipule um valor mensal e acompanhe os seus gastos de perto. Com o auxílio de uma planilha você poderá orientá-lo a controlar seus gastos, porém, dando liberdade de escolha para ele. Mostre que se ele comprar algo que comprometa grande parte do orçamento, possivelmente ficará sem dinheiro para comprar outras coisas. Mas lembre-se: a escolha deve partir dele. Caso ele tome a decisão errada, deverá arcar com as consequências, o que também tornará isso num novo aprendizado.

Por mais que seja complicado abordar este assunto como forma de educação em casa, é absolutamente necessário fazer isso para que nossos filhos, quando crescidos, não cometam os mesmos erros que já cometemos em alguma fase da vida. Passar valores e experiências como estas não tem preço, mas tem muito valor.